Cinema

“O Artista”

Filme vencedor do Oscar de Melhor FIlme de 2011. Estive a “ganhar coragem” para o ver. Um filme mudo e a preto e branco não estava a convencer-me.

Os primeiros cinco minutos foram muito estranhos. Demora-se um pouco a habituar-nos à falta de diálogos. Som há. Música de inicio a fim, o que ajuda a entender a narrativa.

Gostei muito do filme. Pela originalidade, pela história de um actor de filmes mudos a confrontar-se com a mudança dos tempos e pela beleza de um filme em que se “sente” mais do que se “ouve e lê”.

Para mim a alma do filme é a actriz Bérénice Bejo, cujo sorriso largo e inocente ilumina a tela.

A ver. Sem medos. :)

Anúncios
Cinema

“A invenção de Hugo”

O filme de Martin Scorsese teve o dom de me deixar apaixonada. Pela história, pelas personagens, pela homenagem que faz à magia do cinema e, principalmente, pela melhor fotografia que já vi em filmes. Aquele Oscar, o primeiro a ser entregue, tinha que ir para “Hugo” ou seria a maior injustiça deste mundo.

Amei a história do menino, de olhos extraordinariamente azuis, que adora consertar objectos e que decide “consertar” alguém. Acho que um filme vale pelo que nos toca. Por aquilo que fica depois de sairmos da sala e voltarmos à nossa vida comum. Este demostra amor em todas as personagens. Seja na senhora do cão ou a menina que vende flores.

Não fora a coragem de terem feito um filme mudo, e ele realmente ser também muito bom, creio que seria o ano de “Hugo” nos Oscares. Não foi. Empate técnico mas o Oscar de melhor filme foi para o “Artista”. Eu estava a torcer pela magia do meu “Hugo”.

Roupas e coisas de gaja

Vaidosa

Andava à procura de umas sapatilhas pretas. Tive umas durante oito anos. Adorava-as. Tive que as deitar ao lixo. Fim de vida das tadinhas. Eram da Puma. Não tenho a panca das marcas. As outras todas são Berg e Quechua e eu também as adoro.

Hoje realizei o “sonho” de ter umas muito parecidas com as outras. Não são lindas?:) A vaidosa está feliz. :)

Coração

Destravada

20120226-173720.jpg

Eu sou destravada quanto a beijos e abraços. Eu juro que tento controlar-me mas às vezes falho em toda a linha.

No dia em que tive alta, cheguei ao quarto já com a minha roupa (soube tão bem) e vi a minha medica imuno-alergologista. A que me ajudou e me mandou para a urgência do São João.

E, à Alicinha no seu estado mais destravado, toca de lhe dar dois beijos repenicados e grande xi- coração. Lá falamos do que se tinha passado, combinamos a próxima vacina e, à despedida, ela estendeu-me a mão. E eu lá pensei para mim, “és sempre a mesma”. :)

Ela é um doce mas estava no local de trabalho dela, rodeada de doentes, enfermeiras e médicas.

Controla-te, Alice, controla-te. :)